Ação solidária entre comunidades: doação de álcool 70% e de alimentos

Enquanto os/as camponesas/es do assentamento Dois Riachões do Movimento CETA, no sul da Bahia, produziam alimentos agroecológicos para doação a outras comunidades, camponeses da Associação dos Produtores de Cachaça e Derivados de Itarantim (APC-ITA) produziam álcool 70%, também para distribuição em comunidades rurais e urbanas em situação de mais vulnerabilidade no contexto da pandemia.

O combate à fome e a prevenção contra a covid-19 colocaram as comunidades em articulação direta e indireta, fortalecendo a prática da solidariedade e apontando para a aliança entre campo e cidade também no período pós-pandemia, principalmente em torno da construção da resistência, soberania alimentar e autonomia dos povos.

Desde o início da pandemia, a Dois Riachões distribuiu mais de 6.000 kg de alimentos para famílias das cidades de Uruçuca, Maraú e Ibirapitanga; em seguida, cerca de 900 kg alimentos agroecológicos chegaram até comunidades em Salvador – ocupações do Movimento Sem Teto da Bahia – MSTB, no Centro Histórico e para o Grupo de Mulheres do Alto das Pombas.

Já em Itarantim, a APC produziu cerca de 1.500 litros de álcool, glicerinado e envasado pelo Laboratório de Química da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, e encaminhado para doação não somente na Dois Riachões, mas também para comunidades em Salvador e da região sudoeste, a exemplo de Cândido Sales, Vila do Café, Água Preta, Quilombo Lagoa de Melquíades e Amâncio, Água e Lagoa Verde, Mamoeiro.